As Nulidades no Novo CPC

Compartilhe isso

No Novo Código de Processo Civil, há um sistema de nulidades construído fundamentalmente a partir do princípio do aproveitamento, de que decorre a regra da sanabilidade das nulidades. Deixamos, então, de ter um sistema pautado apenas na distinção entre nulidades absolutas (vícios mais graves, não sujeitos a preclusão) e nulidades relativas (vícios menos graves, que devem ser alegados em momento oportuno, sob pena de preclusão). Na verdade, a utilidade desta distinção serve apenas para indicar o regime jurídico a que o vício está submetido.

Nesta linha de pensamento, vê-se que no novo CPC, se deu mais ênfase, ao princípio da instrumentalidade das formas. Importante destacar que o processo é um instrumento para que o juiz chegue à decisão de mérito. O processo (instrumento) não pode ganhar contornos mais fortes que o direito material. É dizer, não pode o juiz perder mais tempo analisando o procedimento do que o mérito.

Assim, passaremos a ter um processo, no qual todos os tipos de vícios podem ser sanados, mesmo os vícios graves. A possibilidade de se “consertar” um defeito deixa de estar ligada à sua gravidade, passando a se relacionar com a possibilidade material de o defeito ser convalidado e com a inexistência de risco a que outro direito seja ofendido.

Os vícios então devem ser, sempre que possível, relevados (não decretados, pois não geram prejuízos) ou corrigidos.

Espera-se que essa linha nítida que transparece em todo o Novo CPC desestimule a jurisprudência defensiva, na qual os tribunais, ao se verem assoberbados de trabalho, quase como se estivessem se protegendo do jurisdicionado, negam seguimento ao recurso pela falta de preenchimento de algum requisito extrínseco ou mesmo de algum requisito que não existe.

À luz da nova lei, por exemplo, não pode mais haver inadmissibilidade do recurso pelo preenchimento incorreto da guia de preparo, por ter sido interposto antes do prazo (intempestivo), dentre outros exemplos.

Por consequência, evita-se o chamado processo “bumerangue”, aquele que volta por meio de uma rescisória ou com o ajuizamento da mesma ação novamente (quando a ação for extinta sem julgamento de mérito).

Da mesma forma, esta nova dinâmica processual também terá efeitos práticos na forma da conduta processual das partes. Repisa-se que as partes devem passar a ter uma atuação cooperativa ao longo do processo, de forma que exigência de boa-fé processual fica ainda mais acentuada.

Curso Online de Atualização Sobre o Novo CPC

Atualize-se com o Curso de Atualização do Novo CPC com o Instituto de Direito Contemporâneo. Um Curso com os melhores processualistas do Brasil, inclusive membros que fizeram parte da comissão.

Curso de Atualização sobre o Novo Código de Processo Civil (CPC) com 60 aulas divididas em 4 módulos de 15 aulas. No curso você vai encontrar nomes como: Arruda Alvim, Bruno Garcia Redondo, Clayton Maranhão, Daniel Mitidiero, Eduardo Talamini, Hermes Zanetti Jr., Humberto Dalla, José Manzano Oliani, Leonardo Ribeiro, Luiz Guilherme Marinoni, Luiz Rodrigues Wambier, Marcos Cavalcanti, Nelson Luiz Pinto, Paulo Osternack, Rogéria Dotti, Ronaldo Cramer, Stela Maciel, Teresa Arruda Alvim Wambier e muitos outros nomes do Direito Processual Civil.

Além das aulas você recebe, certificado digital com 60 horas aula, todos os áudios das palestras em formato .mp3, acesso a uma comunidade fechada no Facebook com monitoria, material de apoio de cada aula, 20 aulas do 1º e 2º encontro de Processualistas. clique aqui e saiba mais

banner300x250 petições contra planos de saude pbcd petições civis publicidade KIT AÇÕES REVISIONAIS BANCARIAS PROP KIT DIREITO DO CONSUMIDOR

 

 

Você também pode se interessar por :

Compartilhe isso
  • I just want to mention I am newbie to blogging and site-building and absolutely loved you’re website. Likely I’m likely to bookmark your blog . You absolutely have awesome writings. Thanks a lot for revealing your web page.